30.1.11

Empreendedorismo - parte 1

Há tempos que reflito sobre o valor do empreendedorismo. Não só reflito como tomo iniciativas pessoais e profissionais pautadas por vontade de empreender.

Com o duplo propósito de revisitar aquilo que penso sobre empreendedorismo e compartilhar essa mesma visão, decidi iniciar uma série de posts sobre o assunto.

Como dizia no início, há tempos reflito sobre empreendedorismo. E o resultado de tais reflexões é simples: considero a vocação do empreendedor como a mais nobre de uma sociedade.

Pode parecer exagero, dito assim tão secamente. Mas, explico-me.

A definição de “empreender” que tenho é mais ou menos essa: um conjunto de habilidades que é posto em prática para construir ou coordenar esforços individuais ou coletivos no sentido de concretizar uma ação de valor econômico ou social.

A primeira peça importante nessa definição é que um empreendedor, para mim, não é simplesmente alguém que consegue criar um negócio de sucesso, pequeno ou grande, que gere renda e empregos. Claro que esse é um tipo de empreendedor fundamental, do qual depende, em última análise (ou deveria depender), o PIB do nosso país e de todos os países do mundo.

Mas, além do empreendedor do mundo dos negócios, existe também o empreendedor social. Alguém que cria ou contribui para uma ONG, alguém que faz trabalho voluntário, regular ou em momentos de necessidade. Alguém, principalmente, que consiga, por meio de sua ação, fazer o bem em termos materiais ou em termos de idéias.

Tenho especial interesse por alguns tipos de organizações que não somente agem, mas oferecem idéias, influenciam o discurso quase sempre monotônico das mídias, chamando à atenção temas que são geralmente muito importantes mas pouco urgentes.

Enfim, o empreendedor que deslumbro e desejo para o nosso planeta pode ser tanto econômico quanto social. De um modo ou de outro, ele é o responsável por criar sinergias que desembocam em alguma ação de valor para a sociedade. Mais, os grandes empreendedores são decisivos para mudanças de paradigmas nos mais variados campos da atividade humana.

Bem, paro por aqui dessa vez, com expectativa de voltar a discutir outros aspectos sobre empreendedorismo num próximo post. Mas antes esclareço por que decidi ilustrar este texto com a imagem de um esquiador em voo livre. Apesar de o empreendedor possuir a vocação mais nobre de uma sociedade, como afirmo acima, creio que ele nunca estará livre do “frio na barriga” ou do temor do desconhecido, parte inerente da sua atividade. Um esquiador em voo livre parece-me uma ótima analogia para esse estado do empreendedor no ápice de seu ofício: a mistura de adrenalina e medo, que muitos dos mortais recusariam, mas que obviamente é altamente recompensadora em termos de aventura e emoção.


Nenhum comentário: