31.8.10

Curiosidade

Qual o por quê dessa volúpia, dessa expansão calorosa da alma, desse muito empolgar-se?

A razão está nas idéias diferentes, incomuns, que me fazem enchente por dentro.
E não somente idéias, mas ideais. E também paisagens, texturas, cores, sabores, sons.
E ainda o poder das verdades científicas.
E a doçura de Deus e de Sua Mãe.

Mas a urgência do foco, as necessidades do hoje, sempre voltam a reclamar violentamente o seu espaço.

E assim sigo, em sístoles e diástoles, num respirar de
contínuo entre o eterno e o imediato.
Que me faltam músculos de revolução na alma.
F.I.S.

Um comentário: